Somos mais que isso!

Faz algum tempo que aprendi a falar sobre minhas crises. É claro, não é uma questão de sair gritando ao mundo seus problemas, muito pelo contrário. Acho que problema a gente senta, resolve, quietinho, e quase ninguém precisa saber, no máximo, os envolvidos, isso é, se tiverem envolvidos, porquê as vezes, a gente cria né? Pois bem, você não imagina a dificuldade que é, entender e aceitar, que somos frágeis e falhos. Vivemos em uma sociedade que nos obrigada a parecer forte o tempo inteiro, esquecemos que somos de carne e osso. E o mais importante, esquecemos que somos um bilhão de sentimentos, e que é preciso cuidar, de cada pedacinho nosso, por dentro, por fora.

Bem, mas eu aprendi! Da pior forma, após muitas crises. Depois de cair e levantar sozinha um bilhão de vezes. Eu entendi o que a maioria das pessoas não entendem. O porque de estarmos aqui! Já tentou fazer algo generoso pra alguém? Seja algo bobo, simples, como emprestar um guarda chuvas. Já notou como isso assusta quem esta do outro lado? Do tipo, você tem certeza? Mas e você? Ou, sejamos até mais objetivos, pergunte a você mesmo, qual foi a última vez que você perguntou a alguém, se esta tudo bem, querendo realmente saber a resposta. Porquê sim, perguntamos isso a todo mundo o tempo inteiro, todo santo dia. Mas quantas vezes dessas, a intenção é realmente sentar e ouvir? Ou ouvir um não, não tá tudo bem, seguido de um desabafo longo e doloroso.

Na maioria das vezes acho que não falamos como nos sentimos, porque temos a certeza que o outro não saberá lidar. Ou que o mesmo se sentirá desconfortável, e até mesmo, porque na maioria das vezes, sabemos que, não quer ouvir. O fato é que ativamos o modo automático. Só seguimos o fluxo. Começamos a segunda esperando pela sexta, e não nos demos conta no que fizemos neste longo intervalo de dias apressados.

Pois bem, você talvez não saiba, mas vivemos a geração mais triste e doente dos últimos séculos. Parece que quanto mais a tecnologia avança, rumo a cura de milhares de doenças, quanto mais cria soluções pros nossos problemas básicos. Quanto mais facilita nossa vida. Mais vazios nos tornamos. E até alguns de nós que nos sentimos uma imensidão de coisas e que não temos tempo pra pensar no vazio, as vezes acabamos caindo. E aí meu bem, nos sentimos fracos e impotentes, coisa que nunca nos aconteceu a vida inteirinha!

Pois é, foi assim que me senti, quando as doenças da mente me abraçaram e me levaram ao fundo do poço. Hoje, eu aprendi a abraçar as dores. Eu entendi que vão ter dias bons, dias médios, e também vão vir alguns dias ruins (e que se tornem cada vez mais raros). Mas entendi, que o segredo é saber aceitar nossas fraquezas, e não! Não estou falando que somos fracos! Somos fortes demais! Só temos momentos em que a gente precisa de um pouquinho mais de cuidado!

Aprendi também, a falar sobre! Não importa o que a maioria vai pensar. Não importam os julgamentos. Enquanto ouvi de uma menina que depressão é frescura. Ouvi de pelo menos 20 pessoas, que eu não fazia ideia que lutavam contra isso, o quão libertador é poder falar com alguém que entende e que sabe de nossas dores!

Claro que tudo o que falo vem das experiencias vividas, e não poderia ser diferente. E que cada um sente o mundo de uma forma e sente o seu peso. Mas falar, compartilhar e enxergar que é possível sim, dar a mão ao outro, é uma das coisas mais libertadoras que pode nos acontecer. E não falo isso apenas sobre os dodóis da mente, eu falo sobre vida! Sobre força! Sobre coragem! A maioria das pessoas ainda não se deu conta do que veio fazer nesse mundo!

Amigo deixa eu te contar, elogiar a menina do ônibus não vai te arrancar pedaços. Falar pra faxineira que o cabelo dela esta bonito daquela cor, não vai te fazer cair a linguá. Dar um respaldo positivo sobre algo que o colega de trabalho fez, e você achou legal, não vai fazer o teu trabalho cair de posição! As pessoas vivem como se a vida fosse uma eterna competição. Sobre quem se veste melhor, ou tem o melhor carro, ou a melhor casa, ou o melhor emprego. Entenda que a vida é muito mais que isso. O que levamos daqui, é nada! Então deixe coisas boas. Plante, por favor, plante!

A nossa passagem, o nosso caminho, é o que vivemos aqui! Entenda que viemos a esse mundo para aprender a se abraçar. Aprender a estender a mão ao outro. É a vida precisa ter empatia como no minimo palavra chave. Precisamos aprender a olhar com os olhos do outro. Eu sei que é utópico demais, porém, é o que eu desejo! É onde eu quero me encontrar. Num lugar onde as pessoas saibam estender a mão e dizer vem cá, deixa eu cuidar de você!

E sobre as nossas crises, a gente precisa aprender a falar mais sobre elas. E não as ver como vilãs. Hoje, elas não me abraçam e me levam ao fundo do poço. Mas, na maioria dos dias, elas me dão a mão, e andam comigo por onde eu vou. As vezes me dão medo sim. Porém na maioria dos dias eu mesma me conforto, olho pros meus mostrinhos e repito comigo mesma, vai passar, não vai me afetar, e o mais importante, EU NÃO SOU A MINHA CRISE!

Ps.: Pra você que talvez não entenda muito bem de todas as coisas que estou falando. Te peço, olhe com mais carinho pros seus coleguinhas. Tenha mais ternura com as pessoas que passam por seu caminho. Todo mundo esta de alguma forma enfrentando alguma batalha, que nós, não fazemos a minima ideia como é! Por tanto, se não poder ajudar, SEJA GENTIL!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s