Porquê você o perdoou?

Em uma sexta feira despretensiosa um amigo, acho que já posso chama-lo assim, me fez uma pergunta que ficou martelando em minha cabeça e que gerou vários outros questionamentos, porém, que talvez, não tenha uma resposta absoluta ou simples.

Bem, a pergunta foi simples, direta e objetiva, porém carinhosa, cheia de cuidados e me perguntou como quem pergunta te olhando com ternura e entrando em seu mundo na ponta dos pés, querendo ouvir uma resposta que talvez o ajude a enfrentar seus próprios medos, mas não querendo te causar dor alguma. Foi apenas: Porquê você o perdoou?

Eu contei uma história longa, e que me fez pensar em todas as minha cicatrizes, sim, pois as feridas já se fecharam. E para mim, pensar nas cicatrizes, não causa dor. Elas fazem parte de mim. São bonitas. Me mostram a mulher forte que me tornei. Bem, depois de uma longa história, acho que não soube responder a sua pergunta. Pois olhando pra dentro, não encontrei uma resposta que me conforta-se. Porém ainda assim, sei de uma coisa, perdoar é libertar a si mesmo. E ninguém poderia ter feito isso por mim, e também, não pode fazer por você.

Talvez perdoar o outro, seja mais fácil que se alto perdoar. Talvez não. Porém eu acho que o perdão é dar uma nova chance, ao outro, a si mesmo. E não importa de que tipo de perdão estamos falando. Pode ser algo grande, ou algo pequenininho. Até porque, o que me magoa, pode ser algo que não magoe o outro, ou vice e versa. As pessoas são todas diferentes e sentem as coisas de forma diferente. Por isso, cada um sabe seus limites. E não adianta tentar impor a sua vontade sobre o outro, certas coisas só acontecem porque precisam acontecer.

Eu acredito muito em propósitos, que ninguém, ninguém mesmo, cai nesse mundo, e muito menos em nossa vida, de paraquedas. Tem gente que é benção, tem gente que é lição. Alguns são caminho, outros são ponte, outros porto seguro, e sempre existe o nosso paradeiro, o destino final. Por isso acredito em segundas, terceiras, e até, quartas chances. Talvez muita gente não entenda, talvez alguns olhem de fora e julguem, bem, mas só quem passa pelas situações que a vida nos coloca, somos nós mesmos, e sinceramente, os julgamentos, nunca me importaram muito.

Creio que nossas decisões, só cabem a nós mesmos, cada um sabe a dor e a delícia de ser, quem se é. E a partir dai, as decisões, escolhas, e até mesmo as consequências, de todo e qualquer passo dado, é nossa. Falar parece fácil, eu sei. Parece simples, parece consolador. Mas quando é conosco, quando é nossa vida sendo colocada do avesso, por conta de um erro nosso, ou do outro. Ahhhh, ai o buraco é mais embaixo!

Acho que o amor é isso. É se colocar no lugar do outro, entrar pé por pé em seu mundo, o ajudar a enfrentar seus próprios monstros e o tirar do buraco que ele se enfiou. Eu sei, muitas vezes não temos essa força de imediato. Muitas vezes não conseguimos passar por cima das nossas dores e feridas para seguir em frente. Mas é preciso lembrar que somos falhos. Somos de carne e osso, e estamos todos propensos a erros e falhas.

Para mim, a pior coisa que existe no mundo, e a coisa que obviamente mais me dói, é a mentira. É uma coisa que nada justifica. Que não consigo entender o que leva o outro a mentir, inventar algo, ou esconder qualquer coisa que seja. É trair a confiança. É quebrar um elo importante em qualquer tipo de relação, seja um casamento, uma amizade, uma relação familiar, simplesmente, não importa, é algo que é mais forte e maior, que eu. Para você, pode ser qualquer outra coisa.

Sabe, aquela listinha, das coisas fundamentais? Se você não tem uma, deveria escrever! Anote seus valores, as coisas das quais você não vive sem e as que são mais valiosas para você. E se cerque de pessoas que as carregam. É básico, simples, fácil. Eu sei, no mundo, no dia a dia necessitamos conviver e lidar, com pessoas que não possuem e não carregam os mesmos valores, ou melhor, que passam longe disso. É preciso aprender a se bloquear. Não digo se fechar para o mundo, apenas para os sentimentos ruins que o outro nos causa.

Eu não digo a você que é preciso voltar a conviver com alguém que lhe fez muito mal. E muito menos colocar novamente em seu ciclo. Apenas o aconselho a se libertar do que te fere, do que te dói. O resto, o tempo e o destino, vão escrever.

E sobre aprender a lidar e perdoar. Bem, não é fácil, não é simples, é doloroso, e leva tempo, as vezes, muito mais tempo que deveria. Mas acredito que passando por cima de muita coisa, consegui conquistar os meus bens mais preciosos, e pessoas das quais hoje eu jamais viveria distante. Se eu puder dar um conselho, um só, digo a você, mágoas são pesadas demais para ficar carregando e arrastando por ai! Se liberte, perdoe quem tanto já lhe feriu. Se perdoe! A vida fica mais leve quando entendemos que nada, absolutamente nada nesse mundo, acontece por acaso. Tudo vem para aprendermos algo, ou para nos tornarmos um ser ainda melhor! Daqui, nada levamos, aliás, só deixamos legados. E se eu puder deixar amor, já deixei tudo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s